Ultraman UB515: Do céu ao inferno com a Dama de Ferro

Ultraman UB515: Do céu ao inferno com a Dama de Ferro

 

Como começar? Essa não é uma prova qualquer, é realmente uma prova pra poucos e por este motivo éramos em 28 atletas, sendo que somente 2 mulheres. O processo todo começa quando nos candidatamos e somos selecionados. Inevitável não sentir um frio na barriga e um pouco de medo do desconhecido. Foram 16 semanas de treinamento focado somente no Ultraman. Lógico que o atleta tem que ter uma boa bagagem de treino e provas, que é um dos fatores que consideram na seleção. O meu treinamento foi perfeito, sem dramas, curti muito as longas horas de treinos solos diários. Cheguei na prova me sentindo muito bem preparada.

 

Foram 3 dias mágicos, nos conectamos com a natureza e nos tornamos uma família. Já éramos campeões por estar ali, não importava quem estava na frente ou atrás. No primeiro dia, fizemos um círculo e de mãos dadas rezamos e pedimos proteção. Foi lindo! A largada foi antes do por do sol e tivemos o privilégio de nadar vendo o sol nascer, com um céu rosa lindo! A natação foi tranquila, 10km bem nadados na companhia do meu staff, o ultramaratonista Gusmão, que estava de kayake do meu lado. Era como se eu fizesse parte de tudo aquilo ali. Logo após a transição, fomos à segunda parte do dia: pedalar 150km entre Ubatuba e Paraty. Foi um pedal duro e com muita chuva e frio. Para mim foi a parte mais dura da prova e exigiu muita cabeça e foco. Estrada movimentada e chuva que não parava. Foi também quando nosso time se conheceu de verdade, pois não tínhamos treinados juntos e eles foram excepcionais! Fim do dia, sem glamour, todo mundo molhado e eu só pensava em 2 frases que tinha certeza que iriam definir o UB515: você se sente um “pinto no lixo” de tão bom que é estar ali, mas também vai pro céu e inferno no mesmo dia! Incrível como os momentos bons superam os ruins, porque quando falo da prova parece até que foi fácil…mas isso eu garanto que não foi em momento algum.

 

Segundo dia, o tão temido dia! Só Deus sabe como treinei duro pensando nesse dia. Foram horas intermináveis de serra pensando nesses 270km! E foi o dia mais “tranquilo”! Pedalamos de Paraty ate Mangaratiba e fizemos a Serra do Piloto que é maravilhosa, mas duríssima! Um pedal que se você não se conectar 100% com você e a natureza, você não consegue terminar! Esse dia eu chorei na chegada (e em vários momentos durante o dia rs). Que emoção, que loucura de sentimentos misturados: alegria, medo, alívio, felicidade que transbordava o coração! Me sentindo bem com o corpo e agora era só esperar o terceiro dia.

 

Terceiro dia foi totalmente fora do planejado. De todos os dias foi o único que me estressei antes da prova, principalmente pelo acúmulo de cansaço, tanto meu, quanto dos meus staffs. Demorou muito para eu me conectar com a prova, com a corrida e quem me conhece sabe que das 3 modalidades é a que tenho maior confiança. Nessas provas longas a única coisa que não pode acontecer é você perder a razão por estar ali e isso aconteceu comigo nas primeiras horas da prova. Rezei muito e pedi a Deus para que me ajudasse. Foi tudo estranho, mas no km 15 mais ou menos, comecei a me sentir eu novamente. Foi fantástico! Primeira maratona foi bem dura, com bastante subida. No final da primeira maratona o corpo já começa a mostrar os “estragos” dos dias anteriores. Foi então que comecei a passar mal do estômago e me sentir fraca por falta de calorias. Em 3 dias não tem como você repor toda as calorias perdidas e senti isso depois de 4hrs de corrida. Sem desespero, caminhei por um tempo, consegui me alimentar e consegui voltar a correr com ritmo. E assim terminamos o dia que deveria ser o mais tranquilo e que se tornou o mais duro de todos com um calor que só o Rio de Janeiro pode nos oferecer.

 

Tudo superado com um sorriso no rosto e muito suor! A chegada era o momento que sempre sonhei: minha mãe, meu filho, meus staffs, minha família (de sangue e de alma), toda ali tanto de corpo ou em pensamento! Parece que um filme da sua vida passa na sua cabeça nesses dias, a conexão com todos os atletas é fortíssima. É realmente uma transformação, muita coisa muda principalmente na maneira como vemos o esporte e a vida! Não é uma prova para todo mundo, mas ao mesmo tempo, é para todos que estejam procurando essa transformação e que vejam o esporte dessa maneira, como um desafio pessoal e um estilo de vida, porque você tem que amar muito o que faz para terminar uma prova desse nível!

 

Paula Miotto é Triatleta de longa distância

 

OBS.: A prova UB515 possui 515km no total, distribuída entre as modalidades de natação, ciclismo e corrida. Acontece todo ano no mês de abril entre os estados do RJ e SP. A prova é dividida em 3 dias de acordo com as seguintes distâncias:

Primeiro dia: 10km de natação e 150km de ciclismo;

Segundo dia: 271km de ciclismo;

Terceiro dia: 84km de corrida

   
   
Compartilhe: Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Comentários

  1. Parabéns pela conquista! Orgulho Capixaba em Ultramaratonas!

  2. Parabéns Paula!
    Muito legal voce compartilhar sua experiência!

  3. Todos nós passamos por momentos de ultramaratonas, mas só os que se preparam conseguem chegar inteiros.

  4. Caramba!!! Tu é f…!! ????????????????????????

  5. Realmente muita superação! Prova muito dura. Mas a satisfação de vencer um desafio desses deve ser indescritível!!! Parabéns!

  6. Caramba! Fiquei sem fôlego só de ler! Mil vezes PARABÉNS!

  7. Texto excelente! Sofri e senti a glória de concluir essa prova só de ler! Parabéns para essa atleta TOP! Orgulho capixaba!

Deixe seu comentário

Avalie este evento:
Classifique:


O seu endereço de e-mail não será publicado.